terça-feira, 17 de julho de 2007

Medo


Eu tenho medo da faca
O fio que não afaga
O cio que não acaba
Eu tenho medo da fala
O eco que não ressalta
O fato que não aplaca
Eu tenho medo de quem cala
Da cria que não agrada
A fala que não fala
Eu tenho medo do tempo
O mestre que avassala
A ruga, corte que me afaga.
Eu tenho medo de ter medo

Um comentário:

  1. Grande Salmy,

    realmente me impressiono pela objetividade de suas palavras, pela precisão de seus poemas, a tratar de temas que tanto nos afligem. Recentemente li que o menino que não supera seus medos jamais se torna um grande homem, torna-se incapaz de acreditar que um dia atingirá a magnitude.Mas como diria Cecília Meireles, a vida só é possível reinventada...Parabéns!

    Rodrigo Alves

    ResponderExcluir